segunda-feira, 17 de março de 2014

Os olhos dos homens nas eleições de 2014

“Os homens, universalmente, julgam as coisas mais com os olhos do que com as mãos, porque todos podem ver, mas poucos podem sentir. Todos veem aquilo que pareces, mas poucos sentem o que és; e esses poucos não ousam opor-se à opinião da maioria, que tem, para defendê-la, a majestade do Estado” (Nicolau Maquiavel, em O Príncipe, tradução de Maria Julia Goldwasser, 4ª edição, São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010, pág. 87).
Entre os enganos frequentes – e são tantos – das análises que se ocupam de investigar a confluência entre a política e a comunicação está o de supor que o engenho de seduzir o olhar alheio tenha sido um produto do século 20 ou, vá lá, uma invenção do final do século 18, no bojo das revoluções que culminariam por fabricar nos comuns do povo a ilusão de que seriam eles os protagonistas da História. Claro que o século 20 massificou a propaganda política, assim como massificou tudo o mais. Claro, também, que a Revolução Francesa não se cansou de “jogar para a plateia”, a ponto de usar o teatro da guilhotina como a prova sangrenta de que o novo poder, não sendo condescendente com os nobres, não seria condescendente com mais ninguém (nem mesmo com Danton, o revolucionário que foi executado aos 34 anos de idade, ou Robespierre, decapitado aos 36).
Vista como um fenômeno de comunicação política, podemos dizer que, em seu início, a Revolução Francesa triunfou porque soube proclamar a si mesma, nos panfletos parisienses, como a emissária da liberdade, da igualdade e da fraternidade. No final, malogrou porque lhe restou apenas a imagem de ser a lâmina do terror e nada além do terror. A comunicação também esteve no centro da estratégia que levou à criação dos Estados Unidos da América: foi com uma série de artigos de jornal que os federalistas ganharam os bons olhos da opinião pública para a causa de que a união faria a força dos Estados.
Rituais carnavalescos
As técnicas de propaganda na política, a partir do século 18, são bem conhecidas de todos. Mas elas não foram inventadas ali. Esse tipo de comunicação é bem anterior à Revolução Francesa. Em 1515, quando entregou a Lorenzo o texto com seus conselhos, Nicolau Maquiavel alertava para isto: os homens julgam mais com os olhos do que com o juízo, quer dizer, formam o juízo a partir do que veem. Em O Príncipe ele ensina que política é jogo de cena. “A um príncipe não é necessário ter de fato todas as qualidades (ele fala de “piedade, fé, integridade, humanidade, religião”), mas é bastante necessário parecer tê-las.” Nesse ponto, o pensador florentino ecoa Júlio César – que teria dito, no ano 63 a.C., que “à mulher de César não basta ser honesta, é preciso parecer honesta” –, mas o faz com uma distinção crucial: para ele, a honestidade da mulher de César seria um dado de pura irrelevância: se ela realmente parecesse honesta, não teria necessidade alguma de ser honesta.
Desde Júlio César – e desde muito antes, na verdade – a conquista, o exercício e a manutenção do poder envolvem a construção, o uso e a manutenção da imagem. A política se faz pelas armas e pela comunicação, num combinado que conjuga força e circo (e pão também, ocasionalmente), para erguer e entronizar uma imagem.
É bem verdade que o século 20 trouxe rupturas estruturais nessa fórmula, com o aprimoramento e agigantamento industrial das ferramentas de sedução (dos olhos dos homens) pela imagem. A partir da indústria cultural a comunicação passou a exercer funções que antes (em Maquiavel também) cabiam à violência direta. Mais: o uso da violência converteu-se numa forma ultraelaborada de espetáculo a serviço da comunicação política. Hoje, muito mais do que antes, os atentados terroristas (que sempre foram atos de propaganda perversa), as manifestações de rua (propaganda relativamente benéfica) e mesmo as guerras são atos (espetaculares) de comunicação, cujo objetivo é fixar ou destruir imagens que disputam o imaginário em torno do poder. O terrorismo e a guerra passaram a ser não mais a continuação da política por outros meios (Clausewitz), mas o prolongamento da comunicação política por meio de signos de exceção.
Política, enfim, é comunicação – e essa comunicação pode lançar mão da força para tocar as retinas dos homens que não sabem conhecer o mundo pela própria ação. Do mesmo modo, e com os mesmos propósitos, lança mão das atividades circenses de maior envergadura, como os grandes festivais de rock e as jornadas esportivas de visibilidade planetária. Na comunicação política os rituais carnavalescos e festivos são equivalentes comunicacionais dos bombardeios redentores.
Artilharia publicitária
É o que veremos em breve. Como bem sabe o leitor, dentro de cem dias, ou um pouco menos, será aberto no Brasil um celebrado Campeonato Mundial de Futebol, que contará com a participação de um time composto de atletas brasileiros especialmente selecionados para isso. O plano de comunicação em que esse campeonato se vai desenvolver é o mesmíssimo em que as eleições presidenciais vão transcorrer logo em seguida (lembremos que a campanha eleitoral vai começar, oficialmente, em julho). As telas eletrônicas serão as mesmas. Os destaques do noticiário serão os mesmos. Os lugares físicos também: ruas, praças, aglomerações humanas. Os signos da nacionalidade – que servirão de âncora para a opinião crédula da maioria – atravessarão os dois eventos sem ter de mudar a fantasia. As eleições nacionais serão a continuação da Copa do Mundo – e pelos mesmos meios.
A partir de junho, a majestade do Estado estará a serviço da imagem dos governos (federal e estaduais). Vem aí uma artilharia de guerra publicitária sob a forma de um circo de congraçamento. O alvo serão os olhos dos eleitores. Maquiavel entrará no picadeiro, encarnado por marqueteiros e candidatos que, sem ter lido o que ele escreveu, sabem de cor as lições que ele deixou.
***
Eugênio Bucci é jornalista e professor da ECA-USP e da ESPM

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Dividir para reinar

Ao separar a Gafisa da Tenda, grupo traça o caminho para que as empresas, no mínimo, dobrem de tamanho em três ou quatro anos

Por Márcio JULIBONI

Do general chinês Sun Tzu (séc. V a.C.) ao pensador florentino Nicolau Maquiavel (1469-1527), a ideia de dividir para reinar sempre foi associada à estratégia de separar as forças inimigas para enfraquecê-las e, assim, vencer a batalha. Dividir as próprias tropas, porém, não é uma prática comum, mas é a base do plano que a incorporadora Gafisa anunciou, na segunda semana de fevereiro, para dar um salto nos próximos anos. O objetivo é transformar suas marcas Gafisa e Tenda em empresas independentes. Se tudo der certo, o grupo espera, no mínimo, dobrar de tamanho no médio prazo com o desmembramento. “A soma das partes valerá mais que o todo atualmente”, afirma o presidente da Gafisa, Alceu Duilio Calciolari.
 
111.jpg
Por conta própria: Sandro Gamba (à esq.) e Rodrigo Osmo assumirão
o comando da Gafisa e da Tenda, respectivamente, e as empresas
tomarão rumos cada vez mais distintos
 
Um exemplo do que se espera com a mudança é a evolução dos lançamentos. No ano passado, os imóveis com a marca Gafisa somaram R$ 1,085 bilhão. Já a Tenda, focada em habitação popular e que passou dois anos sem colocar nada no mercado, enquanto era reestruturada para sair de uma grave crise, lançou R$ 338 milhões. Assim, as duas somaram R$ 1,4 bilhão. Segundo Calciolari, em três ou quatro anos, a Gafisa tem condições de alcançar um patamar de R$ 2 bilhões a R$ 2,5 bilhões de valor geral de venda por ano. Qual é o segredo? Liberar recursos e energia das empresas. “Agora poderemos focar a companhia na sua própria operação, e há um mercado espetacular para as duas”, diz Calciolari. 
 
Para a Tenda, a cifra deve girar entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão. Isso significa que as empresas podem dobrar de tamanho nesse período. Esses números também circulam pelo conselho de administração da incorporadora. “Há muito valor a ser gerado”, afirma um conselheiro, que pediu para não ser identificado. Embora a ideia de desmembrar as duas construtoras tenha começado a ser discutida mais seriamente em meados do ano passado, há pelo menos dois anos o comando da Gafisa tinha consciência de que a marca focada no médio e alto padrão e a Tenda não ganhavam nada juntas, com caixa e direção em comum. “As sinergias são tão pequenas quanto as de uma fusão entre uma companhia aérea e uma confecção”, afirma o conselheiro. 
 
Na prática, apenas a centralização das tarefas administrativas trazia alguma economia. O compartilhamento de materiais e técnicas de construção não trouxe os resultados esperados, simplesmente porque as marcas atuam em mercados distintos, utilizando produtos diferentes. “Um projeto da Gafisa requer mais artesanato, e a Tenda é praticamente uma indústria”, compara Calciolari.Mas a incompatibilidade operacional não é tudo. A separação das empresas representa também uma correção de rota. “A compra da Tenda foi uma grande besteira”, diz, sem meias palavras, o conselheiro da empresa. “O problema foi fazer tudo correndo, sem uma auditoria detalhada.” 
 
113.jpg
Fim de um ciclo: Calciolari deixará a presidência da Gafisa em 90 dias, após a transição -
"A soma das partes (Gafisa e Tenda) valerá mais que o todo atualmente"
 
A companhia mineira, adquirida em 2008, revelou-se uma fonte de preocupações. Em 2011, quando o atual conselho de administração assumiu e Calciolari foi nomeado presidente, o comando da Gafisa decidiu incorporar a Tenda para lhe aplicar um “choque de gestão”. Ao separar novamente as marcas, a direção do grupo indica que a reestruturação da Tenda foi concluída. “Se tivéssemos separado as operações há dois anos, seria um desastre”, diz o conselheiro. Em 90 dias, o executivo Rodrigo Osmo, atual superintendente, assumirá a presidência da Tenda, que passará a ser uma companhia autônoma. 
 
O executivo, que até agora se reportava a Calciolari, responderá apenas ao conselho de administração do grupo. Sem ter de se preocupar com a Tenda, a Gafisa voltará às suas origens: a construção e venda de imóveis de médio e alto padrão nas regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro. “Temos as condições para continuar atuando no segmento em que somos referência”, diz Calciolari. O executivo afirma que a Gafisa pode deter de 4% a 6% de participação de mercado na capital paulista, que recebeu lançamentos de R$ 20 bilhões no ano passado. A tarefa de consolidar a empresa caberá a Sandro Gamba, que assumirá a presidência após o período de transição comandado por Calciolari, que deverá deixar as funções executivas na Gafisa.
 
É claro que entre as intenções e os resultados, uma série de percalços pode ocorrer. Para os investidores, por exemplo, ainda há dúvidas sobre se a Tenda conseguirá mesmo caminhar com as próprias pernas. “Seria ruim ver a Gafisa ainda bancar alguns custos da Tenda”, afirma o analista de mercado Lenon Borges, da corretora Ativa. Outra dúvida é se o cenário continuará favorável, a ponto de sustentar o crescimento das duas companhias no ritmo desejado. Mas, pelo menos até agora, os especialistas em mercado imobiliário não enxergam sinais de perigo. 
 
Segundo Claudio Bernardes, presidente do Secovi-SP, entidade que representa as incorporadoras paulistas,o mercado de médio e alto padrão continuará com boa demanda nos próximos anos, devido ao bônus demográfico – o crescimento da população e as novas famílias, que vão precisar de um imóvel. Já o Minha Casa Minha Vida deve continuar, mesmo no caso de uma eventual troca de governo. “É um programa politicamente interessante para todos”, diz Bernardes, do Secovi-SP. Basta lembrar que o déficit habitacional em 2011 (último dado disponível) era de 3,352 milhões de moradias. Agora, com os negócios em ordem, autonomia e um mercado favorável, Gafisa e Tenda estão em melhor condição do que nunca para construir seus próprios reinos e povoá-los com os clientes que lhes faltaram até o passado recente.
 
112.jpg



segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Brasil, paraíso das autoridades que mentem e não aceitam críticas

O italiano Nicolau Maquiavel, em O príncipe, uma de suas mais conhecidas obras, basicamente um manual de como um chefe público deve se portar, disse que para permanecer no poder, o líder deve estar disposto a desrespeitar qualquer consideração moral, recorrer inteiramente à força, ao poder, manipular e até mentir. Foi mais longe, afirmou que é mais fácil fazer as pessoas acreditarem numa grande mentira dita muitas vezes, do que numa pequena verdade poucas vezes ditas. 
No Brasil, muitas autoridades públicas parecem seguir à risca as receitas do autor do manual, ao ponto de não burlar uma vírgula, a não ser que seja para seu próprio favorecimento. 
Neste paraíso das autoridades que mentem e não aceitam críticas, responder à interrogação de um agente policial, durante uma abordagem de rotina, parece ser mais desrespeitoso que não ficar quieto (sob uma chuva de chutes nas canelas, tapas na cara e pauladas de cassetetes nas costas), é considerado um verdadeiro desacato à autoridade, como se todas elas, as autoridades, fossem honestíssimas, ao ponto de não se corromperem por nada. Discordar da ideia de um funcionário público em seu pleno exercício da função, então, poderá levar o cidadão à prisão, mas o atendimento malfeito por muitos servidores públicos chega a ser uma verdadeira falta de consideração para com o cidadão que, obrigatoriamente, procura o serviço e pagam os salários dos agentes do Estado.
No Brasil, onde é proibido proibir, discordar de uma autoridade, ainda que ela esteja equivocada, é permanentemente proibido e aqueles que se atreverem a criticar um ato, mesmo que errado e irresponsavelmente cometido por um indivíduo que praticou alguma ilegalidade poderão ser taxados de ilegais.
Ora, ainda não faz muitos dias que a opinião sobre a queda de uma passarela causada por um caminhão-caçamba que deixou cinco mortos na Linha Amarela, na altura de Pilares, no Rio de Janeiro, de Rachel Sheherazade, jornalista que vem ganhando destaque e respeito, repercute Brasil adentro. 
A opinião da âncora do “SBT Brasil” foi recebida positivamente pelos milhares de brasileiros comuns que ainda acreditam no poder da mudança, gerando comentários nas ruas, nas aglomerações, nas redes sociais e em muitos veículos de comunicação, mas quem não gostou do comentário mesmo foram muitas autoridades públicas, ou privadas atreladas às tretas públicas, incluindo as três esferas do poder. É, parece que aqui no país do carnaval é preciso policiar a generalização e ninguém pode dizer que no Brasil “Está tudo errado!", como disse a jornalista Rachel Sheherazade. 
Vamos corrigir isso, então? Nada está errado? Estão corretas todas as autoridades deste país, mesmo quando muitas buscam se esquivar de suas próprias culpas? Aliás, neste país dos contrastes, nesta terra das desigualdades sociais, no país da mentira e da malandragem errado está a jornalista por falar a verdade? Errado está este colunista ao pensar que Nicolau Maquiavel é italiano quando é brasileiro? Errado está o pobre, por ter nascido pobre? Errado, enfim, estão todos aqueles que buscam trilhar seus caminhos galgados na verdade?
Nada disso, apague todo o parágrafo acima porque a verdade pode até tardar, mas ela não falha. Quando a verdade chega a mentira some e a verdade cabe em todos os lugares e é para ser exercida, custe o que custar e doa a quem doer. 
A verdade é que nesta Nação onde as autoridades, muitas vezes, negligenciam resultados com intuito de favorecer aquele que possuir maior poder aquisitivo, muita coisa precisa ser mudada.
(Gilson Vasco, escritor)

Fonte:DM.Com

sábado, 4 de janeiro de 2014

Por que Maquiavel ainda é importante para refletir nos dias de hoje?


Quinhentos anos atrás, em 10 de dezembro de 1513, Nicolau Maquiavel enviou uma carta ao amigo Francesco Vettori, contando como passou o dia pechinchando com agricultores locais e preparando armadilhas para pássaros pensando no jantar. Um dia típico para o atípico missivista, que trocou as roupas sujas de barro pelas vestes que antes usava como alta autoridade na república florentina.



quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Florença celebra os 500 anos de "O Príncipe", de Maquiavel

Cidade comemora 500 anos de redação da obra fundadora da ciência política, com uma exposição que explora sua gênese no contexto da época.



Palazzo Vecchio, na cidade italiana de Florença, é visto em 8 de março de 2010
Palazzo Vecchio, na cidade italiana de Florença, é visto em 8 de março de 2010
Roma - Florença comemora, nesta terça-feira, os 500 anos de redação de "O Príncipe", de Maquiavel, obra fundadora da ciência política, com uma exposição que explora sua gênese no contexto da época.
Concluído em 10 de dezembro de 1513 e dedicado a Lorenzo II de Médici, duque de Urbino, o célebre tratado de Nicolau Maquiavel (1469-1527), redigido em apenas dez meses, se tornou, com o passar dos séculos, um substantivo (maquiavelismo) e um adjetivo (maquiavélico), que explica a doutrina de que os fins justificam os meios.
Juntamente com "Pinocchio", de Carlo Collodi, o livrode Maquiavel é o texto de um autor italiano mais traduzido no mundo, afirmou Valdo Spini, presidente do Comitê florentino para as comemorações dos 500 anos da obra do escritor, durante uma coletiva de imprensa realizada em Roma.
"Maquiavel foi o fundador da ciência política, aquele que entendeu primeiro que o poder não foi concedido por Deus, mas que é temporal", explicou Spini, elogiando "a modernidade" do texto do teórico político.
Para homenagear uma das personalidades mais importantes do Renascimento, que foi diplomata e filósofo, foi organizada uma exposição com o lema "O caminho do Príncipe".
O comitê organizador quer desfazer também o estereótipo que foi propagado pelo mundo de que o italiano "é dúbio e oportunista", como sugere o livro, ao desnudar as verdadeiras práticas do poder.
Pertencente a uma família nobre de Florença, Maquiavel, um advogado, esteve a cargo de um escritório público, viajou a várias cortes em França, Alemanha e outras cidades-estado italianas para cumprir missões diplomáticas.
Durante a República Florentina (1494-1512), colaborou com o austero Girolamo Savonarola, antes do retorno ao poder de Lorenzo de Médici, o Magnífico, amante do esplendor.
Acusado de conspiração, ele foi torturado e teve que se exilar em seguida, período em que desenvolveu a atividade literária, ganhando influência crescente.
No entanto, morreu a poucas semanas da queda dos Médici, em 21 de junho de 1527, aos cinquenta e oito anos, sem ter recuperado seu cargo no serviço público, após ter sido chanceler e secretário da Segunda Chancelaria.
"'O Príncipe' é fruto de sua experiência e de suas reflexões", resumiu Spini.
A exposição, que ficará em cartaz até fevereiro de 2014, inclui 90 documentos assinados por Maquiavel, o manuscrito "A Arte da Guerra", assim como cartas codificadas, pinturas e retratos, explicou Silvia Alessandri, vice-diretora da Biblioteca Nacional de Florença.
Maquiavel, que defendeu sempre a República Florentina, dedicou o livro a Lorenzo de Médici, com a esperança de que lhe desse a graça que nunca alcançou.
À Florença daquela época corresponde também o magnífico "David" de Michelangelo, elaborado entre 1501 e 1504, encarregado pelas autoridades republicadas para "representar a resistência ao tirano", explicou Francesca de Luca, responsável do Museu dos Ofícios para o século XVI.
Outro florentino célebre na época era Leonardo da Vinci, que será lembrado através do enorme afresco perdido "La batalla de Anghiari" (Tavola Doria), elaborado entre 1503 e 1504 e descoberto em 2012 atrás de um falso muro no salão do Palazzo Vecchio, sede da prefeitura de Florença.
A pintura, que acreditava-se ter sido destruída em meados do século XVI, será exposta pela primeira vez em Florença antes de voltar ao museu de Tóquio, que a adquiriu sem saber que tinha sido roubada, em virtude de um acordo bilateral.

Fonte: EXAME

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

O Crime de Maquiavel

Existem muitas situações de trevas em que, em nome do bem comum, o Príncipe tem de cometer males
Por: JOÃO PEREIRA COUTINHO

Maquiavel: O nome é todo um programa. E "maquiavélico" é adjetivo que dispensa apresentações.
Quando acusamos alguém de maquiavelismo, não precisamos acrescentar mais nada. O sujeito é imoral, hipócrita, mentiroso, potencialmente violento. Uma mistura de Charles Manson com Hannibal Lecter, digamos. Estaremos a ser injustos com o florentino?
Estamos, sim, responde Michael Ignatieff. Ponto prévio: Ignatieff, um excelente filósofo, andou uns tempos perdido (ou será iludido?) na política canadense. Liderou o Partido Liberal. Disputou eleições. Perdeu. Como normalmente acontece com os filósofos que flertam com a política e são desiludidos por ela, regressou agora aos livros.
Em boa hora: na revista "The Atlantic", Ignatieff celebra os 500 anos de "O Príncipe" (escrito em 1513) e oferece uma das mais preciosas explicações para o desconforto que Maquiavel sempre provocou nas gerações posteriores.
Uma empreitada dessas já tinha sido iniciada por Isaiah Berlin no clássico "The Originality of Machiavelli", que Ignatieff obviamente conhece como biógrafo "oficial" de Berlin.
No ensaio, Berlin começava por listar as múltiplas interpretações que foram sendo urdidas sobre a obra e o autor ("um manual para gangsters", disse Leo Strauss; "um humanista angustiado", disse Benedetto Croce; "um homem de gênio", disse Hegel).
E depois, como é usual nos ensaios mais "escolásticos" de Berlin, o próprio acrescentava a sua interpretação a respeito: o que perturba em Maquiavel não é a defesa da dissimulação ou da violência. Ele não foi o primeiro. Não será o último.
O problema é que Maquiavel mostrou a incompatibilidade absoluta entre duas moralidades distintas na conduta de um político: a moralidade pagã e a moralidade cristã.
Eis a "originalidade" de Maquiavel: quem deseja ser um bom cristão, cultivando as virtudes típicas do cristianismo (perdão, benevolência, compaixão etc.), o melhor que tem a fazer é afastar-se da política. Essas virtudes são boas em si mesmas (Maquiavel nunca negou isso, ao contrário do que se imagina). Mas elas são boas na vida privada dos indivíduos, não na defesa da comunidade.
Em política, são as virtudes pagãs (força, disciplina, magnanimidade etc.) que garantem a sobrevivência do Estado.
Ignatieff aceita o essencial dessa explicação. Mas acrescenta um ponto decisivo que está ausente do ensaio de Berlin e que me parece o mais importante: Maquiavel perturba-nos tanto, 500 anos depois, porque existe em nós a intolerável suspeita de que ele pode ter razão.
Vivemos em sociedade. Desfrutamos de um mínimo de ordem. Queremos ser poupados ao crime e à violência de forma a perseguir os nossos interesses ou ambições.
Mas, ao mesmo tempo, recusamos sequer a hipótese de que muitos dos nossos "ganhos civilizacionais" possam ser mantidos por políticos que "sujam as mãos" e não têm insônias com isso.
Cuidado: não falo de políticos que "sujam as mãos" em proveito próprio. Essa hipótese seria intolerável para um patriota como Maquiavel. Falo de qualquer líder, em qualquer democracia, que muitas vezes usa a dissimulação, a mentira ou a brutalidade para que as insônias não nos perturbem a nós.
Ignatieff dá um exemplo, apenas um entre mil: o momento em que Barack Obama invadiu o Paquistão para capturar e matar Bin Laden. O que diriam os Evangelhos dessa operação? E o que dizemos nós, ao saber que o mundo tem um terrorista a menos --o mais temível e procurado deles?
Maquiavel, falando para a Florença do seu tempo, falou também para as Florenças de todos os tempos. E limitou-se a mostrar o "backstage" do nosso teatro cotidiano. No palco, tudo é luz e fantasia. Atrás do palco, existem muitas vezes situações de trevas em que, em nome do bem comum, o Príncipe tem de cometer males inevitáveis.
No fundo, talvez o problema de "O Príncipe" não esteja no texto propriamente dito, mas no efeito que ele teve sobre a imagem virtuosa que gostamos de cultivar sobre nós próprios.
Alguém dizia que os seres humanos nunca suportaram demasiada realidade. O crime de Maquiavel, 500 anos depois, foi ter insultado a nossa vaidade com esse excesso de realidade.

Contribuição: Rodney Eloy

Fonte:FolhadeSaoPaulo